Resenha: O Xará

02:01

Livro: O Xará | Autora: Jhumpa Lahiri | Editora: TAG Experiências Literárias; Biblioteca Azul | Páginas: 344 | Nota: 5 de 5

Sinopse: Gógol Ganguli tem nome russo, sobrenome indiano e um espírito dividido. Filho de imigrantes bengalis que vivem nos Estados Unidos, enfrenta desde criança a crise típica de um tempo de fronteiras instáveis e vidas em trânsito: a de não se reconhecer em nenhuma cultura ou lugar. Em meio a um constante conflito entre diferentes modos de vida - retratados na educação, na relação com os pais, na vida profissional - , Gógol Ganguli vai buscar no embate como próprio nome e nas relações amorosas um espelho no qual possa descobrir quem realmente é.
Autora vencedora do Prêmio Pulitzer de 2000, finalista do Man Booker Prize 2013 e do National Book Award 2013, Jhumpa Lahiri se consagra como um dos maiores destaques da nova literatura de língua inglesa.





Comentários

Quais são as fronteiras que nos definem? Que experiências nos moldam? Que memórias ficam impregnadas em nós? O que é nosso? O que herdamos? Quantas viagens são necessárias para nos encontramos? Em O Xará, Jhumpa Lahiri sutilmente escancara a jornada de Gógol em busca de sua identidade a partir do embate com o seu próprio nome e do deslocamento cultural de um protagonista nascido nos Estados Unidos e filho de indianos.

A narrativa logo no início nos apresenta os conflitos socioculturais vividos por Ashima e Ashoke, um jovem casal indiano que muda para os EUA em busca de melhores oportunidades. Uma dessas diferenças culturais define todo percurso do livro e se relaciona a escolha do nome do primeiro filho do casal. Acontece que na tradição bengali, os bebês recebem dois nomes, um oficial e uma espécie de apelido (doknam) que é utilizado apenas por familiares e amigos. E isso significa que a criança pode ficar os primeiros anos sem um "nome bom" (o oficial) até que seus pais escolham um nome adequado. Mas nos Estados Unidos as crianças já saem da maternidade com o nome oficial e devido ao atraso da carta da avó de Ashima - que tinha ficado responsável por escolher o nome - o recém nascido recebe o nome de Gógol, em homenagem a Nikolai Gógol - escritor favorito de Ashoke.

Seguimos Gógol desde a infância até os trinta e poucos anos. E acompanhamos o protagonista, que nunca se sentiu confortável com seu nome, tentar traçar as fronteiras do seu próprio eu em uma busca incansável de sentido entre possuir um nome russo, ser norte-americano e filho de pais indianos. Essa busca, muitas vezes egoísta, dá-se tanto na suas relações pessoais como profissionais e até mesmo em afastamentos e na negação da cultura de seus pais. A prosa leve e sem sentimentalismos vai muito além das questões socioculturais enfrentadas pelos imigrantes, o livro trata dos ciclos de uma vida. E em muitos desses ciclos todos nós somos Gógol. Demoramos a amadurecer, a nos reconhecer e aceitar quem verdadeiramente somos.

Toda a jornada do personagem e muito interessante e reveladora, mas foi sua fase adulta que mais me cativou e ao chegar ao final dessa história fiquei com uma espécie de nostalgia e um aperto na garganta pelo próprio Gógol. Divagando após terminar a leitura não consegui parar de pensar e repensar que O Xará tem muito dos versos do Renato Russo em Pais e Filhos, para mim, especialmente "você me diz que seus pais não entendem, mas você não entende seus pais".




Também poderá gostar

1 comentários

  1. Oi, Érika!!

    O livro parece ser muito interessante. Mas no momento estou curiosa por A Longa Jornada, que conta a história do garoto indiano que se perdeu da família, foi adotado por australianos e depois parte para India para tentar achar a família biológica.

    Vou anotar esse nome também para pesquisar depois. ;)

    Bjs!!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir