Cardápio

Desapego Literário

18:54

tumblr

Já faz algum tempo que quero trazer para o Relicário a discussão de um assunto bem polêmico entre os leitores: o desapego. Minha experiência no universo dos blogs e vlogs literários me fez perceber que nos últimos anos a quantidade de livros virou sinônimo de status entre os blogueiros. Não me entendam mal, não estou criticando quem tem muitos livros (até porque faço parte desse grupo) estou apenas refletindo sobre a questão: Será que realmente queremos todos os livros que temos na estante?

No meu caso a resposta é não. Minha estante – imagino que seja assim com todo leitor – é formada por livros que amei, livros mais ou menos e livros que fatalmente não gostei ou que por algum motivo não tenho nenhuma intenção de reler. Então, qual seria o propósito de mantê-los sob minha posse simplesmente ocupando espaço?

Foi a partir dessa segunda pergunta que resolvi fazer uma faxina literária na minha coleção e abrir mão de livros que não estão entre os meus favoritos para dar espaço a outros que possam me render boas experiências. No primeiro pente fino que passei na minha estante retirei cerca de 20 livros. De imediato ofereci a alguns amigos próximos e depois cadastrei a maioria na plataforma de trocas do Skoob – o Plus.

Até o momento realizei três trocas através da rede social. Duas por créditos e uma livro x livro que me rendeu o primeiro volume de O Diário da Princesa. No caso dos créditos agora eu posso solicitar um livro que realmente quero muito (como sou indecisa isso ainda não aconteceu, mas em breve eu mostro para vocês o resultado das minhas trocas).


Vou deixar aqui o link do meu perfil do Skoob e a foto dos livros que estão disponíveis para troca. Caso queira aderir ao desapego é só entrar em contato. 



O que acham do assunto?
Beijos
Érika Rodrigues

Companhia das Letras

Resenha: Alta Fidelidade

23:09


Título: Alta Fidelidade | Autor: Nick Hornby | Editora: Companhia das Letras | Ano: 2013 | Páginas: 312 | Nota: 4 de 5

Sinopse: Rob é um sujeito perdido. Aos 35 anos, o rompimento com a namorada o leva a repensar todas as esferas da vida: relacionamento amoroso, profissão, amizades. Sua loja de discos está à beira da falência, seus únicos amigos são dois fanáticos por música que fogem de qualquer conversa adulta e, quanto ao amor, bem, Rob está no fundo do poço. Para encarar as dificuldades, ele vai se deixar guiar pelas músicas que deram sentido à sua vida e descobrir que a estagnação não o tornou um homem sem ambições. Seu interesse pela cultura pop é real, sua loja ainda é o trabalho dos sonhos e Laura talvez seja a única ex-namorada pela qual vale a pena lutar.

Um romance sobre música e relacionamento, sobre as muitas caras que o sucesso pode ter e sobre o que é, afinal, viver nos anos 1990. Com rajadas de humor sardônico e escrita leve, a juventude marinada em cultura pop ganhou aqui seu espaço na literatura.


Comentários 

Meu primeiro contato com Alta Fidelidade se deu a partir da adaptação cinematográfica estrelada por John Cusack e lançada em 2000. A ideia de ler a obra original surgiu com o desafio literário Rory Gilmore e, assim como o filme, a experiência foi extremamente agradável. 

A obra de Nick Hornby é praticamente uma homenagem a década 90. O autor é bastante minucioso quanto a ambientação e leva o leitor para os pubs londrinos e para dentro da mente de três caras completamente aficionados por música. Dentre eles está Rob, proprietários de uma loja de discos, protagonista e narrador dessa história. 

O enredo trata basicamente do momento presente pelo qual Rob está passando: o termino de um relacionamento amoroso com Laura. Esse é o fato que inicia o livro e é a partir dele que toda a narrativa se desenvolve. O fim do relacionamento faz com que Rob - no auge nos seus 35 anos - questione praticamente toda sua vida, desde as escolhas amorosas, profissionais, relação com os amigos e com seus próprios pais. 

Além de fanático por música pop, Rob é um cara que adora fazer listas. E muitas das histórias que o nosso narrador relembra são contadas a partir de Top 5. O protagonista se mostra também um pouco egoísta e as vezes até meio escroto quanto aos seus relacionamentos amorosos, mas devo confessar que nada disso me incomodou e que a personalidade peculiar de Rob garantiu algumas risadas. 

O livro tem uma narrativa leve e inúmeras referências a Londres e a cultura pop em geral. Apresenta poucos personagens secundários (como Barry, Dick – funcionários da loja - e Laura) e estes não ocupam muito espaço na narrativa em geral. Após algumas pesquisas descobri que a obra se enquadra em uma espécie de Chick-lit para homens (achei essa informação bem engraçada e confesso que nem sabia que existia), gênero que abrange o universo masculino.

Leitura recomendada! 

Érika Rodrigues

  

Cardápio

Curtas: Cinema Francês e Gilmore Girls

19:37


Hoje é dia de estrear a coluna de notícias aqui no Relicário. O espaço denominado "Curtas" trará algumas notas sobre assuntos relacionados ao cinema, música, literatura, séries e cultura pop em geral. 
Espero que gostem da novidade =)


Festival Varilux de Cinema Francês


A edição deste ano do Festival Varilux de Cinema Francês acontece até o dia 22 de junho em 50 cidades do país. O evento contará com a exibição de 15 filmes inéditos e clássicos do cinema francês; além de oficinas de roteiro e crítica cinematográfica. 

Confira programação aqui


Gilmore Girls na Netflix


Nós, fãs de Gilmore Girls, estamos morrendo de ansiedade pelo revival deste seriado maravilhoso que está sendo produzido pela Netflix. Mas a data de lançamento da nova temporada, que contará com 4 episódios, ainda não foi divulgada pelo provedor. Mesmo assim já existem razões para celebrar. Isso porque a partir de Julho as sete temporadas da série estão disponíveis no serviço de streaming.


Érika Rodrigues


Cardápio

Cinema: Estreias da Semana

16:37

Tumblr


Poucas coisas são melhores do que curtir um filmezinho no fim de semana. Pensando nisso separamos algumas estreias que devem movimentar os cinemas nacionais. Confira:


Invocação do Mal 2

Sete anos após os eventos de Invocação do Mal (2013), Lorraine (Vera Farmiga) e Ed Warren (Patrick Wilson) desembarcam na Inglaterra para ajudar uma família atormentada por uma manifestação poltergeist na filha. A trama é baseada no caso Enfield Poltergeist, registrado no final da década de 1970.


Não recomendado para menores de 14 anos




Truque de Mestre: O Segundo Ato

Após enganarem o FBI, os cavaleiros Daniel Atlas (Jesse Eisenberg), Merritt McKinney (Woody Harrelson) e Jack Wilder (Dave Franco) estão foragidos. Eles seguem as ordens de Dylan Rhodes (Mark Ruffalo), que segue trabalhando no FBI de forma a impedir os avanços na procura dos próprios cavaleiros. Paralelamente, o grupo planeja seu novo ato: desmascarar um jovem gênio da informática, cujo novo lançamento coleta dados pessoais dos usuários. Entretanto, durante a revelação da farsa, os próprios cavaleiros são vítimas de um contragolpe, vindo de um inimigo desconhecido.

Não recomendado para menores de 12 anos


Casamento de Verdade

Jenny (Katherine Heigl) é uma mulher adulta que sofre grande pressão da família para encontrar um marido e se casar. Mas os pais ainda não sabem que Jenny é lésbica, e namora Kitty (Alexis Bledel), que todos acreditam ser apenas uma colega. Quando revela sua orientação sexual, a família entra em crise. Mesmo assim, Jenny pretende se casar, com a aprovação dos pais ou não.

Não recomendado para menores de 12 anos




Érika Rodrigues

Intrínseca

Resenha: A Verdade Sobre Nós

23:07

Título: A Verdade Sobre Nós | Autora: Amanda Grace | Editora: Intrínseca | Edição: 1 | Avaliação: 2,5 de 5

Sinopse: Madelyn Hawkins está cansada. Cansada de ser sempre perfeita. Cansada de tirar A em tudo. Cansada de seguir à risca os planos que os pais fizeram para ela. Madelyn Hawkins está cansada de ser algo que não é, algo que não quer ser. E então ela conhece Bennet Cartwright. Inteligente, sensível, engraçado. A seu lado, ela se sente livre e independente. Uma história que poderia muito bem ter um final feliz, não fosse por um detalhe: Maddie tem apenas 16 anos, e Bennet, além de ter 25 anos, é seu professor. Pressionada pelos pais a participar de um programa para jovens talentos, Maddie pula dois anos do Ensino Médio e vai direto para a faculdade, onde conhece e se apaixona pelo professor de biologia. O sentimento é recíproco, e para dar uma chance àquele novo relacionamento que lhe faz tão bem, ela decide não contar para Bennet sua idade. Não demora muito para que as coisas comecem a dar errado, e as consequências da farsa de Maddie ganham contornos devastadores quando a verdade vem à tona.


Comentários

A narrativa construída por Amanda Grace aborda um tópico bastante comum no imaginário adolescente: a paixão por um professor/professora. Embora a maioria dessas histórias se desenvolva apenas na imaginação, em A Verdade Sobre Nós a autora coloca em questão a legitimidade de um sentimento frente a diferença de idade e as posições de autoridade.

Madylyn é uma jovem de 16 anos que além de todos os desafios de sua idade de transição, entre a infância e a vida adulta, precisa lidar com a constante pressão dos pais em se tornar a melhor da turma e ingressar em uma das melhores faculdades do país. Até os acontecimentos descritos no livro ele tem feito tudo que eles planejaram para o seu futuro, inclusive cursar disciplinas na faculdade enquanto ainda está no ensino médio.

O ambiente da faculdade traz uma mudança de perspectiva na vida de Maddie. Ela se sente livre de toda a pressão familiar e capaz de expressar sua verdadeira personalidade e seus anseios. Durante sua primeira aula de Biologia ela conhece Bennet, professor gato, inteligente e sensível. Mesmo tendo consciência da quantidade de inconvenientes dessa relação, Maddie não resiste em admirar Bennet durante as aulas.

Bennet é apresentado de maneira muito profissional e não tem qualquer comportamento atípico nas dependências da faculdade. Mas como obra do acaso, os dois se encontram em uma caminhada e a conversa flui de maneira natural entre o futuro casal. Mesmo com toda a intimidade que os dois vão construindo nada acontece enquanto são professor e aluna, mas esse não era o único problema, já que Maddie omitiu sua idade.

Toda a história é narrada por Maddie a partir de cartas enviadas a Bennet. Desde o início da narração, o leitor já sabe que as coisas não terminaram muito bem para os dois e apesar de apresentar uma narrativa rasa, o desfecho foi surpreendente para mim. 

Confesso que não consegui me envolver com a história durante a maior parte do livro. Primeiro, por não gostar de narrativas em primeira pessoa e depois por achar a protagonista extremamente egoísta e inconsequente (na verdade Maddie é um típica adolescente). Apesar de ter uma tema bem interessante a autora não contribuiu com quase nada a respeito do debate sobre uma relação amorosa entre uma adolescente e um adulto. E por só apresentar a visão de uma das partes tudo ficou exageradamente romantizado. Mas como disse anteriormente, o final (basicamente as duas últimas páginas) elevaram um pouco a minha avaliação dessa história.


Érika Rodrigues

Aniversário do blog

Mais um ano!

22:47


Chegamos ao nosso terceiro ano de existência! E mesmo com todas as dificuldades de tocar esse espaço sozinha sinto uma gratidão imensa por cada experiência e cada pessoa que conheci através do Relicário.

No dicionário, a palavra relicário significa “caixa, cofre, lugar próprio para guardar relíquias”. Desde o início esse blog funcionou para mim como esse lugar especial onde posso expressar um pouco de quem eu sou, do que eu gosto e das coisas que me inspiram.

Espero poder continuar nessa jornada de escrever e mostrar um pouco do meu infinito particular durante muito tempo.

Obrigada por me acompanhar!
Beijos,

Érika Rodrigues