[Resenha]: A Culpa é das Estrelas (John Green)

23:34

Título: A Culpa é das Estrelas | Autor: John Green | Editora: Intrínseca | Edição: 1 | Páginas: 288 | Nota: 5 de 5

Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.








Comentários


“As marcas que os seres humanos deixam são, com frequência, cicatrizes” 

Página 281


Meu primeiro contato com a obra do John Green se deu a partir da leitura de ‘Quem é você, Alasca?’ e como eu já havia comentado, começamos com o pé direito. Quanto à leitura de A Culpa é das Estrelas, confesso que tive bastante resistência a dar uma chance para esse livro devido a todo o alvoroço criado em torno da história principalmente nas redes sociais. Agora ao finalizar a leitura faço minhas as palavras de Markus Zusak: “Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais”.

A narrativa conta a história de Hazel Grace, uma menina de 16 anos que luta contra um câncer no pulmão em estado terminal, e apesar de alguns avanços com tratamentos experimentais, Hazel não terá muitos anos de vida. A adolescente divide os dias entre a releitura de seu livro predileto – Uma Aflição Imperial – , as temporadas de America’s Next Top Model e as reuniões do grupo de apoio para jovens com câncer, que Hazel frequenta apenas por insistência da mãe com intuito de que a filha faça novas amizades e tenha experiências similares aos dos outros jovens de sua idade.

Em uma dessas reuniões Hazel conhece Augustus Waters. Gus é bonito, inteligente, cativante, e passa a frequentar a reunião para acompanhar seu amigo Issac - um garoto com câncer nos olhos com quem Hazel compartilhava suspiros irônicos durante os depoimentos nas reuniões. Augustus também teve câncer, nos ossos, mas está há mais de um ano sem nenhuma manifestação da doença. Após encarar Hazel durante toda a reunião, eles se aproximam e começam uma amizade que vai se transformado aos pouco em amor.

Algo de bastante interessante nesse livro é que o John Green consegue construir uma narrativa leve apesar de ter pacientes com câncer como protagonistas. Tanto a Hazel como os demais personagens aceitam sua doença e as consequências advindas sem melodramas e excessos de lamentações. A narrativa comove pela verossimilhança das vivências além do câncer compartilhada pelos personagens.

A história despretensiosa e com algumas reviravoltas me encantou de uma forma bastante inesperada. Eu não chorei com partes específicas durante a leitura, mas não pude evitar o choro ao final. Acredito que o que me emocionou na história da Hazel Grace e do Gus foi o conjunto da obra, por assim dizer. Foi, quem sabe, perceber que as imperfeições não são ‘privilégios do câncer’. Recomendo.


“...Me ocorreu que a ambição voraz dos seres humanos nunca é saciada quando os sonhos são realizados, porque há sempre a sensação de que tudo poderia ter sido feito melhor e ser feito outra vez.” 

Página 275


Sobre a estrutura

O livro é narrado em primeira pessoa pela Hazel. Apesar de não ser o tipo de narração que mais me agrade não percebi grandes problemas nessa história. Quanto aos capítulos, estes possuem tamanho mediano e boa continuidade. 




Sobre a adaptação

Como muitos já devem saber, a adaptação cinematográfica tem sua estreia marcada para o dia 6 de junho. O elenco é formado por Ansel Elgort, como Augustus, e Shailene Woodley interpretando Hazel Grace. A direção ficou por conta do Josh Boone (Stuck in Love) e teve produção de Marty Bowen e Wyck Godfrey, responsáveis pela Saga Crepúsculo. O roteiro é de Scott Neustadter e Michael H. Weber, os mesmos que assinam (500) Dias Com Ela.






Érika Rodrigues






Também poderá gostar

11 comentários

  1. Simplesmente adoro os livros do John Green, só tenho que terminar de ler Will&Will para terminar todos. A Culpa é das Estrelas foi o primeiro deles e você soube descrever ele perfeitamente, com certeza o livro é muito bom.

    os-jovens-leitores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ai que livro perfeito .Sou apaixonada por esse livro mesmo não sendo essa adoração que as pessoas sentem rsrs .Sua resenha foi perfeita ,e tenho a mesma opinião que a sua .Mesmo sendo um livro de sofrimento por causa do câncer ,já imaginamos que é um livro cheias de lamentações ,tristezas e etc .Mas não ao contrario ,é um livro leve e até divertido de se ler .Mas o final é o fim :/ rsrs .
    Parabéns pela resenha amore ,simplesmente perfeita ,e o livro nem se fala .
    Estou contando os dias para a adaptação ,mas não gostei muito do autor que irá interpretar o Gus ,não achei ele bonito e nem sexy :s .
    Mas enfim ,sucesso para você .
    Beijinhos <3
    http://chuvaelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é maravilho. Faz você avaliar um lado nunca pensado.
    Amei demais sua resenha. Estou ansiosa para ver o filme, acho que vou chorar por
    demais.
    Passando pra desejar ótima semana.
    Bruna Marie - WTF.

    ResponderExcluir
  4. Oi Érika!!

    Eu também tive resistência à leitura. Eu li por causa do livro que deu origem à estória de John, "A estrela que nunca vai se apagar". Me apaixonei pela Esther e sua vida e resolvi ler o do Green. Também gostei muito. E ele realmente escreve estórias fortes com uma leveza enorme! Não é um texto cansativo e flui bem. Depois desse, quero ler todos dele!! Parabéns pelo blog! Gostei muito e já estou seguindo!!

    Beijinhos
    Mirelle - meumundoemtonspasteis.com

    ResponderExcluir
  5. Olá Érika,
    Esse livro é realmente maravilhoso, acredito que primeiramente ele é uma lição de vida e depois uma linda história de amor.
    Chorei muito no final e estou me preparando psicologicamente para chorar muito no cinema.
    Adorei sua resenha.
    Ainda não li "Quem é você, Alasca?", mas com toda certeza irei lê-lo .
    Bjs
    Amanda
    http://blog-emcomum.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Érika, tudo bem?
    Adorei a sua resenha :)
    Ainda não me rendi a nenhuma das obras de John Green, ainda...
    Pretendo ler ACEDE e Quem É Você, Alasca? ainda esse ano, vamos ver o que eu vou achar. rs
    Beijos e boas leituras!

    ResponderExcluir
  7. Oi Erika, tudo bem?

    Aí eu adorei a sua resenha. ^^

    Quando eu li A Culpa é das Estrelas ainda não havia essa euforia toda em torno do titulo e entendo esse seu receio com primeiro contato, eu também sou assim com livro que estão na "boca do povo", já li livros que estavam nesse auge que se tornaram decepcionantes no fim, o único problema que eu tive para iniciar ACEDE foi imaginar que a leitura seria para mim tão tediosa e desmotivadora como é pra mim ler um livro de Nicholas Sparks, quando eu li a sinopse e vi que o livro falava de uma garota com câncer logo criei uma resistência ao livro que graças a escrita de John Green foi quebrada logo nas primeiras páginas.

    http://amolivrosdeverdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Que bom que você gostou do livro! Ele é um dos meus favoritos do Green, junto com cidades de papel! Adorei a resenha!

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Érika, tudo bem?
    Li esse livro ano passado e gostei bastante. Não tive pelo livro o mesmo encanto que muitas pessoas tiveram ao ler, e apesar de ser uma história bonita e emocionante não cheguei a chorar com o livro.
    Mas foi uma ótima leitura, cheia de passagens lindas.
    Adorei sua resenha! E estou muito ansiosa com a adaptação para o cinema :D
    Espero em breve ler mais alguma obra do autor pois essa foi a única que li até agora.

    Bjo ;*

    http://justonemomentt.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Estou no mesmo dilema que você enfrentou antes de ler...
    Eu quero encontrar forças necessárias para lê-lo (mas preciso de um momento menos tenso da vida, porque devo chorar litros infinitos)
    Adorei seus comentários, me deram mais ideia do que encontrarei!

    Ana P.M. ♛ Queen Reader - Venha conhecer o Castelo!
    http://booksandcrowns.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Érika, esse foi a única narrativa do John Green que li, e pelo visto foi a única que despertou meu interesse, a priori, entre todos os outros livros do autor. E não me arrependi. Apesar de não ter me descabelado e nem morrido de amores, ACEDE me proporcionou uma bonita e particular experiência literária... tô bem ansiosa pelo filme, e espero que a adaptação encante os fãs tanto quando o livro encantou. Adorei seus comentários!

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir